Produção recorde de milho

Com apoio da prefeitura e Emater, associação colhe 2.835 sacas que foram divididas entre 42 famílias. Prefeito Luciano Lucena comemora o resultado

O sucesso da colheita foi comemorado em união. A safra 2016/2017, entregue oficialmente no dia 14 de junho, foi dividida entre 42 famílias ligadas à Associação do Entorno de Santo Antônio da Laguna (AESAL). A Prefeitura de Barro Alto e a Emater, principais apoiadoras da instituição, também celebraram os números. O milho plantado em uma área de 40 hectares resultou na colheita de 2.835 sacas, fazendo da AESAL uma das associações com o melhor desempenho do Estado de Goiás.

Todo o trabalho, da preparação do solo à colheita, foi feito pelas famílias cadastradas junto a associação. São cerca de 200 pessoas que participaram desta safra. De acordo com o presidente da associação, Rodair Gomes Ferreira, mais conhecido como Ronaldo; o pequeno produtor, sem condições de produzir sozinho, se junta a Associação e leva todos os membros da casa para a lavoura, incluindo as mulheres. "Elas participam de todos os processos dentro do campo e possuem papel relevante neste trabalho", enfatizou o presidente da AESAL.

Esta união de forças dos produtores precisou ser reforçada neste ano. A safra 2016/2017 foi feita apenas com recursos próprios. O Governo de Goiás não enviou incentivos neste período por meio da Lavoura Comunitária. Sem esta contrapartida, a prefeitura foi parceira nos trabalhos e cedeu peças para as máquinas, insumos e óleo diesel para os veículos. O prefeito de Barro Alto, Luciano Lucena, lembrou que apoia o projeto há mais de 15 anos e ressalta a relevância da associação. "O pequeno produtor não possui incentivos. A maneira mais viável é se juntar às associações, como a AESAL, que tem o apoio do poder público. Vejo que é uma obrigação do executivo municipal oferecer este incentivo", declarou Lucena. Outro fator positivo, visto pelo prefeito, é que grande parte da safra será destinada ao comércio local, fomentando a economia no município.

A Emater, de acordo com os associados, teve grande contribuição para a boa produtividade. Ela ofereceu toda assistência técnica, da preparação do solo ao plantio até a colheita. Quem acompanhou de perto as famílias produtoras de Barro Alto foi o engenheiro agrônomo e responsável pela unidade da Emater no município, José Ernesto. "A Aesal é organizada, assim pudemos auxiliar os trabalhos e obter resultados satisfatórios", disse.

Além do prefeito Luciano Lucena, estavam presentes na entrega da safra os secretários de Agricultura, José Maria; de Transportes, Welde Perreira; de Previdência, Júnior Alvarenga; e os vereadores Luiz da Laguna e Dison do Sindicato. 

Partilha da lavoura
Os excelentes resultados da lavoura são possíveis pelo intenso trabalho das famílias e a safra é dividida entre elas. Ronaldo explica que as 2.835 sacas foram repartidas após a retirada das despesas. Depois disto, a divisão é feita de duas maneiras; a primeira em partes iguais, entre as 42 famílias. A segunda é repassada pelos dias trabalhados de cada pessoa. "Um dia na lavoura equivale a uma saca e meia, então, entregamos de acordo com o período servido na associação", explicou o presidente. Alvarina Barbosa, de 66, é uma das mulheres da AESAL e se dedica na cozinha da associação. Para ter resultados positivos ela sabe da relevância da junção de "braços". Para Alvarina, a união dos produtores é sinônimo de fartura. "Aqui cada um tem sua função. Quero que continue assim, porque com ela terei o pão de cada dia", expressou a associada.